Número total de visualizações de página

terça-feira, 15 de agosto de 2017

Acredite: seu bicho de estimação prejudica mais o meio ambiente do que um carro


Ao se comparar o impacto ambiental de um veículo de grande porte e um animal de estimação, é fácil apontar que o “pet” prejudica muito menos o planeta do que o carro. Mas o estudo intitulado “Tempo para comer o cão? O Guia Real de Vida Sustentável”, publicado na Nova Zelândia, indica exatamente o contrário.
Os autores Robert e Brenda Vale chegaram a essa conclusão calculando a quantidade de recursos naturais utilizados para a alimentação de animais criados dentro de casa. Os números alarmantes apontam que um cachorro de tamanho médio acarreta em um impacto duas vezes maior do que um SUV de luxo, como um Toyota Land Cruiser.
“Basicamente, os cachorros são prejudiciais para o meio ambiente porque são grandes carnívoros. Por isso, é necessária muita terra para fornecer seus alimentos”, explicou Robert Vale. Como comparação, o impacto ambiental de um cachorro de tamanho médio é de 8.400 m². O de uma SUV de luxo, por sua vez, é de metade disso.
“Um cachorro de grande porte, por exemplo, pode viver de 10 a 14 anos, pelo menos. São utilizados muitos recursos para fabricação e produção de alimentos para cuidar desses cães ao longo de suas vidas”, concordou Don Jordan, diretor do Abrigo de Animais de Seattle Animal e presidente da Federação Estadual de Agências de Cuidados e Controle de Animais em Washington.
Mas há quem conteste o estudo neozelandês, como Clark Williams-Derry, pesquisador-chefe do Instituto Sightline, em Seattle, nos Estados Unidos. Embora ele não discuta que os cães causam, sim, um expressivo impacto ambiental. “Quando vi o estudo, fiz umas contas rapidamente e calculei que um cão médio teria de comer pelo menos duas vezes mais do que a pessoa média para isso estar correto. Só que as pessoas são bem mais pesadas do que cães. Isso não significa que os cães não têm um grande impacto ambiental, mas vejo isso com uma dose saudável de ceticismo”, disse Williams-Derry ao site Phys.org.
De qualquer forma, se adoradores de cachorros não quiserem abrir mão de um animal de estimação, as outras opções não diminuem tanto assim o impacto ao meio ambiente. O estudo diz que um peixinho dourado tem impacto igual ao de dois celulares, dois hamsters ou quatro canários podem ser comparados a uma TV de plasma e um gato é tão prejudicial quanto um Volkswagen Golf.
Ver as imagens
Reprodução
Mas existem outras formas de aliviar o impacto ambiental de seu cachorro de estimação. A dica principal é colocá-lo em um estilo de vida ecologicamente correto, como já deve ser pensado entre os seres humanos. E não faltam sugestões para ajudar o seu bichinho a prejudicar menos o planeta – afinal, os donos têm mais culpa do que eles nesses casos.
Uma simples dica está no descarte das fezes do cachorro. Caso você não possa enterrá-las, adote a rotina de usar sacolas biodegradáveis. Não só neste caso, o material dos produtos do seu cão tem importância fundamental na redução do impacto dele no meio ambiente, como aponta a veterinária Vivian Harris.
No livro “Remédios naturais para cachorros e gatos que você gostaria de conhecer: um guia de cuidados holísticos”, a doutora ataca diretamente, por exemplo, a grande causa do prejuízo ambiental causado pelos cachorros de estimação: o fato de serem carnívoros.
A veterinária sugere que os donos alimentem seus cachorros com vegetais plantados em casa ou nas proximidades, com uma combinação bem planejada de proteínas, carboidratos, gorduras, minerais e vitaminas. Ciente da falta de tempo da vida nas grandes cidades, e sem querer transformar os cães em vegetarianos, ela recomenda carnes de frango ou de coelho, menos impactantes ao meio ambiente do que a carne bovina.
Outros produtos destinados a cachorros também devem ser levados em conta. No caso de shampoos, por exemplo, devem ser procurados aqueles que são livres de lauril sulfato de sódio. Em brinquedos e camas, produtos plásticos e sintéticos devem ser deixados de lado, dando preferência a fibras naturais, como algodão orgânico ou cânhamo, ou materiais reciclados.
A escolha de tratamentos para pulgas e carrapatos também é importante, até para não prejudicar a saúde do cão. Vivian Harris dá uma dica de solução natural para lavagem de pulga, feita à base de sabão de castela, que pode ser feito em casa, dez gotas de lavanda, cinco gotas de eucalipto, cinco gotas de alecrim e cinco gotas de óleo de cajepute.
De forma mais drástica, também é demonstrar consciência ecológica ter um controle de natalidade. A conta é simples: se apenas um cachorro causa o dobro do impacto de uma SUV, imagine como isso é ampliado pela presença de filhotes. “Reduzir a superpopulação de cães é crucial”, opina a veterinária Vivian Harris.
E existe sempre a possibilidade de o dono ceder em nome de seu cachorro, como reduzir drasticamente o consumo de carne ou no uso do seu veículo pode compensar todo o impacto causado pelo seu bicho de estimação. Mas, no caso, é uma conta bem mais complicada de ser feita, embora pensar ecologicamente seja uma necessidade para todos no planeta.
https://br.noticias.yahoo.com/acredite-seu-bicho-de-estimacao-prejudica-mais-o-meio-ambiente-que-um-carro-184714932.html

Sem comentários:

Enviar um comentário